domingo, 4 de janeiro de 2009


Meu amigo blogueiro Fernando Rocha postou no dia 03/01 um texto intitulado Clarisse, profundo, emocionante, triste e muito bonito(quem quiser conferir, é só acessar: www.neuroticoautonomo.zip.net). Hoje eu acordei com ele rodeando a minha cabeça. Escrevi, então, sobre Clarisse.



SOBRE CLARISSE



Ela desistiu, menina sem asas pela janela. Clarisse viveu como ferro em brasa, esperando que a chama acalmasse, mas ela sempre ardeu.

Se eu pudesse voltar a seu quarto, se a porta não estivesse fechada, se eu tivesse insistido, se eu tivesse estranhado todo aquele silêncio.

Não foi o homem, nem a moça, não foram os foras, nem as recusas, foi ela quem se opôs, impondo o ponto final antes do tempo.

Clarisse, se os meus olhos estivessem atentos e eu não estivesse tão preocupada com os anos a frente, quem sabe não estaríamos no tapete da sala assistindo filmes,comendo pipoca e falando mal dos imbecis.

Clarisse, se você antevesse a minha decadência, se eu compreendesse tuas entrelinhas, tuas construções de passado, se eu não tivesse me ausentado, a culpa seria toda sua.

Hoje vejo teus olhos fechados, teu sono profundo, lembro de quando você disse que gostaria de dormir e acordar quando tudo estivesse no lugar e eu me pergunto se devo esperar.

Ainda tenho tua voz na lembrança, teus pedidos de recompensa, tuas rendições. Você sempre achou que pagava dívidas de outras vidas e eu nunca te convenci do contrário.

Clarisse, todos continuam a te repreender e eu querendo saber pra onde foi sua alma. Agora que a tua respiração cessou, agora que tua pele descansa, penso se poderás voar como os anjos.

Leio agora a carta que deixastes na cabeceira e a tua frase me estaca “A liberdade dos pássaros. Dear, fui atrás dos meus direitos”


Rosemeri Sirnes

4 comentários:

fernando disse...

Rosimeri:
Fiquei muito emocionado e feliz ao ler este texto, e saber que Clarisse não é mais só minha, agora ela é nossa.
Entretanto o seu texto é muito bom e com um tom diferente do meu, o seu narador toma o lugar das pessoa que fica, o que muito me interessa, sempre que penso sobre suicidio, imagino como devem se sentir as pessoas próximas da q pessoa que partiu, e você tornou mais clara esta sensação.
Parabéns!

ieda thinara disse...

Gostei do texto,muito lindo.
cheguei atravves do blog do amigo Fernando.
bjs

Esther disse...

Que belo texto, minha amiga!!

Vc tal qual Clarisse nos transporta com as palavras,
nos proporciona emoções variadas,
isso se chama TALENTO, e isto
vc tem de sobra!

Eurico disse...

Rosimeri, por onde andas. Tua encantadora presença na blogosfera é imprescindivel.

Abraço amigo e fraterno.