quinta-feira, 20 de agosto de 2009


Quando não sei dizer
"Disseram que vinha o vento, a chuva e você, mas não disseram que era tudo passageiro."
Menino bonito,

Lembro da primeira vez que ouvi Celso Fonseca, ao seu lado, em cima da cama, e eu parecia tão frágil que você faria o que quisesse comigo se a sua vontade fosse a mesma que a minha. Ah meu bem, nosso primeiro encontro foi um instante tão bonito que eu devoraria a tela por completo só para ter de volta aquela confusão em que me meti.
De lá pra cá...você sabe bem dessa minha trajetória trôpega. Como você me fez bem...me fez conhecer Celso Fonseca e uma outra forma.
Perdoe-me não por um fato isolado - até porque se é orgulhosa em demasia para referir-se a um determinado - perdoe-me por tudo que o incomoda e você não diz. A minha alma é boa, a intenção nem sempre é das melhores, mas o amor, este é sempre maior.
Estou no caminho da grandeza. Deixo as pequenezas de lado, como faço quando escolho o feijão.
Sempre essa sinfonia e pela 2ª vez essa semana. Penso em ti e sou modesta.
Estou no caminho. No caminho da elevação ou da evolução, sei lá.
Amigo, tenho desculpas antecipadas porque normalmente eu tenho que me adiantar.
Quando digo que é pra vida inteira é a parte boa de mim que está a salvo.
Estou no caminho. No caminho de ser feito pluma, de entender o sopro.
Estou no caminho certo? Estou tentando ser melhor, prometo.

Beijos com a alegria de fim de semana
Rose

2 comentários:

fernando disse...

"Todo inicio tem um fim/Tanto sempre/Sempre acaba."Ap´[os ler o seu texto lembrei deses versos da canção dos los porongas.

Natasha disse...

"Tempera o teu medo com a esperança
Inclina essa balança a teu favor
A alegria é a origem da felicidade"

Bjks, amiga!