quinta-feira, 11 de dezembro de 2008


Shiiiii...


E então o silêncio tomou a sala

Estendeu-se pelo tapete

Em vento forte bateu a janela

Forrou-se veludo o copo ao chão

O silêncio calou o sinal de ocupado

Varreu as folhas do quintal

O silêncio senhor impaciente

Foi e voltou de canto a canto da sala

O silêncio pairou no ar.



Rosemeri Sirnes



2 comentários:

Dauri Batisti disse...

O silêncio é tão bom, o silêncio é tão ruim. O silêncio me leva, me traz. Ele me faz exigências e me ignora. Me acolhe e me apavora.

Um beijo.

Mai disse...

Olá, Rosi.

Vim retribuir tua visita e, que maravilha!

Encontro aqui, um banquete de palavras e sons e silêncios.
Lindo teu poema!

Carinho.

Voltarei.