terça-feira, 20 de janeiro de 2009


O bloco passa pela janela me convidando para entrar na festa e o batuque avisa que logo, logo vem o carnaval. Tempo atrás eu diria que a festa profana não me atrai; de fato, o trânsito na ida para o litoral me enerva, dentro de um carro sem ar condicionado em dia de calor escaldante ainda mais; gente bêbada afim de briga também, mas de resto, da folia, das marchinhas, daquela alegria, de paetês, fantasias e o brilho dos desfiles das escolas pelo sambódromo, ah...eu tenho que confessar, meus antecedentes, meu samba no pé(com toda modéstia) e esse sangue que me corre nas veias não me deixam mentir, eu amo! Tempo atrás poderiam me interrogar sobre meu apreço e eu afirmaria a abominação, mas depois que dispensei a tv 21 polegadas e fui ver o desfile na avenida, todo aquele glamour, todo o exagero, toda aquela alegria, no único momento onde ricos e pobres são um; depois disso, eu me rendi.
E os blocos já começam o esquenta, as quadras das escolas, sem contar os ensaios técnicos que antecedem os desfiles oficiais que lotam todas as noites. Deve ser por isso que dizem que o ano só começa depois do carnaval, e se for assim, aproveito a extensão, porque o meu começou faz tempo.



2 comentários:

fernando disse...

O Carnaval é sempre tema de discussões intermináveis e contundentes.
Eu só sou contra a elitização de uma festa que tem caráter popular, cobram para participar de blocos na via pública da Bahia, em SP e no RJ para assistir o desfile cobram preços inacessíveis, creio que queiram excluir o poveo da festa popular, só esqueceram de não mais denominá-la assim.
Aproveitando o assunto, fica registrada a dica do cd "O Bloco do Eu sozinho", dos Los Hermanos.

Eurico disse...

Alegria, alegria, Rose. Apesar de tudo ainda nos resta essa folia. Não dá pra segurar a onda sem o carnaval. Por cá os tambores já esquentam, e toda a energia da raça vai tomando conta de tudo. Abraços.