sexta-feira, 25 de setembro de 2009









RESPIRE A MÚSICA, SÓ ISSO

Será que alguém vai entender quando eu escrever sobre não esquecer de respirar a música? Quando eu fechar os olhos e chorar, será que vão pensar que é de tristeza? Ou então, se eu gritar e movimentar os braços como única libertação, será que não levarão em conta a minha sanidade? Se eu disser que amo mais uma vez, ele vai acreditar que é uma outra forma? Quem vai levar em consideração ou perdoar as minhas crises existenciais? Quem vai me pegar de jeito e dizer toda a verdade? Será que ainda demora? Será que vem devagar? E o mar, há de respeitar quando eu fincar os pés na areia e não me deixar levar? E o sol, há de livrar-me de teus raios e ser apenas benefício à minha pele? E tu, como vais? Quando vens? Malas prontas, todos os pertences, inteiro?

Será que vão ter como certa a minha permanência? Será que permitem que eu me estabeleça e escreva? Será que ele assina e lavra e acredita e leva a sério e envelhece e agradece estar ao meu lado? Será que vadio, mentiroso? Será que sem traumas, nem freios? Será que entende meu silêncio e não interrompe?

Não minta, não minta! Acima de todas as coisas importantes - destaco para que leias, não ignore - A tua verdade é o teu valor. Não me faça acreditar que vales nada.

Será que a minha vida encontra a sua, sem endereço e sem vontade? Será que o beija-flor anuncia novo amor? Será que a esperança traz bom prenúncio? Será que o pássaro passa da cozinha? Será que ele se contenta com as migalhas? E o dialeto que eu ouço, será que faz sentido, será que encontra aki razón?

Respire a música, para que ela te encontre, qualquer música para que a gente se encontre, uma única música para que as mãos se toquem e sigamos em rodopio pelo salão e eu possa te beijar com a palavra e eu possa entender a tua mão sobre minha coxa. Dance comigo para que eu diga eu te amo, para que meu corpo declame sua beleza. Dance comigo e saberás me guiar como exímio dançarino, ainda que aprendiz, ainda que nunca antes.

Nenhuma pergunta, só o teu corpo e o meu.

Respire o meu prazer, me engole inteira de vontade.


Rosemeri Sirnes

3 comentários:

Eurico disse...

Bom te ver escrevendo assim... com essa energia bonita.

Abraço fra/terno.

EU SOU DO disse...

A partir de agora quem não respirar a música é burro. rs
Demais seus textos!
beijos, Bruno Siqueira.

Eurico disse...

O Rio, garota, o Rio de Janeiro. Vc e toda a energia. O Rio continua lindo e teu blogue faz parte disso!